Sistema de ordenha: reserva efetiva de vácuo

No último post sobre o sistema de ordenha falamos da bomba de vácuo e a sua funcionalidade dentro do sistema. Mas, para que a bomba de vácuo não seja responsabilizada por problemas causados em outras partes do equipamento de ordenha, precisamos dimensionar também a Reserva Efetiva de Vácuo.

 
Mas o que é a Reserva Efetiva de Vácuo?

 
Pensando sempre no principio correto de dimensionamento do equipamento de ordenha, são fundamentais três seguimentos: a produção, a reserva e estabilidade de vácuo. A reserva é um conceito que poucos levam em conta, pois a utilizam para realizar a ordenha, porém, quando isto ocorre, muitos são os problemas gerados, pois sem reserva não conseguimos promover estabilidade de vácuo; mesmo tendo uma grande produção por parte de uma bomba de vácuo já bem dimensionada.

 
Basicamente necessitamos da reserva efetiva de vácuo para que o equipamento absorva alguns erros que são cometidos no momento de instalar e utilizar a ordenha, como por exemplo, a entrada de ar indesejada quando se coloca o conjunto de ordenha na vaca de uma forma inadequada. Outros exemplos destas falhas que podem ocorrer são os deslizamentos do conjunto de ordenha em função de tetos molhados, a falta de troca de insufladores e, até mesmo erro no dimensionamento do equipamento, ou seja, o equipamento de ordenha tem que absorver esses erros sem deixar com que as vacas percebam estes equívocos, mantendo assim o princípio básico de um equipamento mecânico imitar o animal.

 
Dentro da instrução normativa número 5707, que regulamenta a fabricação e utilização de equipamentos de ordenha no Brasil, existe vários parâmetros para se calcular a reserva efetiva de vácuo para um equipamento de ordenha, levando em conta o consumo e quantidade de cada componente, o tamanho do equipamento, as tubulações utilizadas, entre outros. Ao final de todos estes cálculos, se aplica a correção necessária, levando em conta à altitude em relação ao nível do mar que está localizada a propriedade onde será instalado o equipamento.

 
Alguns componentes tem seu objetivo confundido ou subutilizado quando se refere a promover a estabilidade efetiva de vácuo, um deles é o coletor de leite. Muitas pessoas
pensam que o coletor serve para encher de leite, mas, na verdade, seu dimensionamento é para não permitir o enchimento total, promovendo assim a estabilidade diretamente na ponta do teto da vaca. Um dos princípios da reserva para promover estabilidade de vácuo é, “por onde passa leite, nunca pode ser preenchido mais que 50% do espaço com leite, para que o restante seja Reserva Efetiva de Vácuo”, promovendo assim estabilidade no sistema.

 
Outro componente que tem a responsabilidade de promover reserva é a Unidade Final de Transferência de Leite nos equipamentos canalizados, que deve ser maior à medida que o equipamento aumenta de tamanho, não para que a bomba de transferência do leite funcione menos vezes, e sim, para aumentar a reserva efetiva de vácuo, que é distribuída pela tubulação de leite (que também serve como reserva, se bem dimensionada), que por sua vez distribui para os conjuntos de ordenha.

 
Existem equipamentos de grande porte que tem a produção de vácuo bem dimensionado, mas em função de seu tamanho, peca na tubulação da linha de leite utilizada, tubulação de vácuo e peca na inexistência de um componente importante que é o tanque pulmão, que deve ser incluído para equalizar e distribuir uniformemente o vácuo por todo equipamento. Além disto, não podemos confundir reservatório sanitário com reservatório de vácuo, o que precisamos fazer é instalar os dois componentes a medida que a necessidade de cada equipamento aumenta.

 
Estas e outras informações devem ser levadas em conta na hora de direcionar e comercializar um equipamento de ordenha, já que este precisa estar de acordo com as necessidades do rebanho a ser ordenhado. Outro fator que deve ser analisado é o tamanho do equipamento, pois precisamos colocar a disposição das vacas um equipamento de ordenha que tenha produção, reserva e estabilidade de vácuo, independente dos acessórios e tecnologia embarcada tem.

 
Em nossa próxima publicação estaremos falando sobre a estabilidade de vácuo, lembrem-se, estamos sempre atentos às necessidades das vacas para que nossos produtos e serviços estejam acompanhando a evolução da atividade leiteira. Ordemax, você pode confiar!

Nenhum comentário.

Deixe seu comentário